23/04/2008


Tem quase 6.000 anos de história. O homem utilizou os mais diferentes tipos de materiais para registrar a sua passagem pelo planeta e difundir os seus conhecimentos e experiências.
Os sumérios guardavam as suas informações em tijolo de barro. Os indianos faziam os seus livros em folhas de palmeiras. Os maias e os astecas, antes da descoberta das Américas, escreviam os livros num material macio existente entre a casca das árvores e a madeira. Os romanos escreviam em tábuas de madeira cobertas com cera. Os egípcios desenvolveram a tecnologia do papiro, uma planta encontrada às margens do rio Nilo, suas fibras unidas em tiras serviam como superfície resistente para a escrita hieróglifa. Os rolos com os manuscritos chegavam a 20 metros de comprimento. O desenvolvimento do papiro deu-se em 2200 a.C e a palavra papiryrus, em latim, deu origem a palavra papel.Nesse processo de evolução surgiu o pergaminho feito geralmente da pele de carneiro, que tornava os manuscritos enormes, e para cada livro era necessária a morte de vários animais.

O papel como conhecemos surgiu na China no início do século 2, através de um oficial da corte chinesa, a partir do córtex de plantas, tecidos velhos e fragmentos de rede de pesca. A técnica baseava-se no cozimento de fibras do líber - casca interior de certas árvores e arbustos - estendidas por martelos de madeira até se formar uma fina camada de fibras. Posteriormente, as fibras eram misturadas com água em uma caixa de madeira até se transformar numa pasta. Mas a invenção levou muito tempo até chegar ao Ocidente.
O papel foi o principal suporte para divulgação das informações e conhecimento humano. Dados históricos mostram que o papel foi muito difundido entre os árabes, e que foram eles os responsáveis pela instalação da primeira fábrica de papel na cidade de Játiva, Espanha, em 1150 após a invasão da Península Ibérica.No final da Idade Média, a importância do papel cresceu com a expansão do comércio europeu e tornou-se produto essencial para a administração pública e para a divulgação literária. Johann Gutenberg inventou o processo de impressão com caracteres móveis - a tipografia. Nascido, em 1397, da cidade de Mogúncia, Alemanha, trabalhava na Casa da Moeda onde aprendeu a arte de trabalhos em metal. Em 1428, Gutenbergparte para Estrasburgo, onde fez as primeiras tentativas de impressão. Segundo dados históricos, em 1442, foi impresso o primeiro exemplar em uma prensa. Em 1448 volta à sua cidade natal, e dá início a uma sociedade comercial com Johann Fust e fundam a 'Fábrica de Livros' - nome original Werk der Buchei. Entre as produções está a conhecida Bíblia de Gutenberg de 42 linhas.A partir daí o mundo não seria mais o mesmo.
A partir do século 19, aumenta a oferta de papel para impressão de livros e jornais, além das inovações tecnológicas no processo de fabricação. O papel passa a ser feito de uma pasta de madeira, em 1845. Aliado à produção industrial de pasta mecânica e química de madeira - celulose - o papel deixa de ser artigo de luxo e torna-se mais barato. As histórias, poesias, contos, cálculos matemáticos, idéias e ideais poderiam, a partir de agora, percorrer mares e terras e chegar ás mãos de povos que os seus autores jamais imaginariam.
Hoje em dia e temos novas formas de "ler" um livro, seja através da audição da narração de uma história ou aqui mesmo na net onde existem já sites que têm livros disponíveis. Eu apesar de ser totalmente receptiva às novas tecnologias continuo a preferir o livro normal, que posso ler onde quiser, posso folhear as páginas, sentir o papel e o cheiro e isso é insubtituível.
Porque...hoje é o dia Mundial do Livro!

28 comentários:

Patti disse...

Não consigo viver sem eles. Estão sempre por todo o lado: no carro, na sala, na mesinha de cabeceira, no escritório, na cozinha. Até já desenhei uma almofada com uma bolsa para colocar lá um livro.
Nunca vou aderir ao livro virtual; gosto do peso, do cheiro, do desfolhar, de sublinhar, do arrumar, de olhar para ele.
E hoje lá no meu blog berlioz, as fotos são todas dedicadas ao dia do livro.
Paciente pesquisa, a tua.

Olá!! disse...

:))))
Que seria de nós sem os livros, os verdadeiros livros com aquele cheirinho ... hummmm

E agora sim, vou confiar no teu bom gosto hahaha (private joke)
Beijosssssssss e BOM DIA

Maria P. disse...

Muito bem!
Livros (quase) o meu mundo:)

Beijoca*

Ka disse...

Patti,

Como eu te entendo. Sabes uma coisa que normalmente reparo de imediato? Se fôr a casa de alguém reparo logo se têm livros ou não :)

Beijinhos


ps - a pesquisa foi muiiiiito facilitada com a internet, ms obrigada de qualquer forma !

Ka disse...

Olá!!

looool

Um excelente dia para ti :)

:P (ó p'ra mim a fazer uma careta...hehe)

Ka disse...

Maria,

Quase?!?! loooool imagino se fosse mesmo :)

Beijoca e um excelente dia

Vicissitude(s) disse...

Boa tarde, bom post.

Vou rever um pouco do passado e visistar amíude este domínio.

"KA", era mesmo sarcasmo, ainda assim boa antecipação.

Boas tardes. (gostei especialmente deste último post)

pin gente disse...

gostei muito desta aprendizagem, obrigada.

beijo
luísa

Paula Crespo disse...

Interessante síntese sobre a história do livro!
Bjs

paulofski disse...

:)

Porque será que o último parágrafo do teu texto me fez lembrar algo que escrevi hoje!!!


Beijinho

Paulo Tomás Neves disse...

Só faltou dizer que o livro é portátil, não necessita de bateria e o sistema operativo é simples, como demonstra este vídeo :-)

LeniB disse...

Continuarei sempre a preferir um livro de papel...é que eu tenho um hábito de riscanhar tudo o que leio. Imaginem se eu lesse livros on-line!!

as velas ardem ate ao fim disse...

Feliz dia do livro!

bjinho

Rui Caetano disse...

Os livros são a minha companhia, são as minhas referências a minha fonte de saber...

Ka disse...

Vicissitude(s),

Esteja à vontade :)

Quanto ao sarcasmo obviamente que percebi que era!

Ainda bem que gostou, espero vê-lo por aqui mais vezes !

Beijinho

Ka disse...

Luísa,

Obrigada

Beijinho :)

Ka disse...

Paula,

Obrigada, simpatia tua :)

Beijos

Ka disse...

Paulofski,

Será por isso que nos damos bem? :P

Beijinho

Ka disse...

Paulo,

Isso já parece o Post do Paulofski :) vá lá ver que percebe o que digo!

Beijinho

ps - que o dia manhã seja produtivo :P

Ka disse...

Lenib,

O acto de ler um livro é muito mais que a leitura apenas. Começa na altura em que desejamos tê-lo, o namoramos na livraria, compramos, e por aí adiante passando pelo seu cheiro, pelo folhear, encontrar o momento próprio para o ler, o sítio próprio para o guardar...enfim, imagino que percebas :)

Beijinho

A. Jorge disse...

Tema muito oportuno e muito interessante.
Oléá Ainda aqui ando! :)

Um beijo

O ausente

Jorge

http://vagabundices.wordpress.com/

Blue Velvet disse...

Ka,
eu também quero ler um livro com ele nas mãos e cheirá-lo:)))
Olha,vim também avisar que se me visitares e encontrares o meu blog privatizado, não é porque o fechei aos amigos:))))
É só porque estou a mudar quase tudo nele, e é impossível fazê-lo com ele aberto.
Deve demorar uns 2 dias, talvez menos.
Fico à tua espera, no mesmo endereço, mas de carinha lavada.
Dias Felizes e veludinhos azuis

comecardenovo disse...

A imagem, a imagem, comentar o quê?
Bom feriado

Ka disse...

Velas,

Obrigada :)

Beijinho

ps - Tens o nome de um dos livros que para mim foram uma surpresa Boa! Fiquei admiradora de Sandor Marai

Ka disse...

Rui,

Como eu entendo ... :)

Beijinho

Ka disse...

a.Jorge,

Bons olhos te leiam :)
ainda bem que gostaaste :)

Beijinho e bom feriado

Ka disse...

Blue,

É outra coisa não é? eu já expeximentei ler on-line mas o prazer não é o mesmo.

Beijinho

Ka disse...

Começardenovo,

Beijinho e um óptimo feriado :)